terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Encanto Eterno - Série Amor Á Primeira Mordida 2/4 - Kimberly Raye

Encanto Eterno
Série Amor Á Primeira Mordida 2/4
Harlequin Fuego!
Ed. 17
Editora Harlequin Books

Dillon Cash era o sujeito mais esquisito de Skull Creek, até ser atacado por um vampiro e se tornar em uma máquina de sexo. Agora, todas as mulheres da cidade querem tirar uma casquinha desse sexy caubói! Meg Sweeney não se conforma com as mudanças do seu amigo Dillon e quer saber como ele conseguiu mudar do dia para a noite! Afinal, se Dillon pode ser um pedaço de mau caminho, ela também quer descobrir a deusa que existe dentro dela. Meg só precisa de algumas lições...E Dillon jamais negou qualquer coisa para sua melhor amiga...
Mas ele não desconfiava que passar uma noite com Meg em sua cama o deixaria morrendo de vontade de viver outra vez





Como diriam as meninas lá do Orkut: Santa Perikita Afogueada!!!!!!! 
Gente essa série é uma coisa!!! Você praticamente tem um piripaque lendo!!!! As ondas de calor são imensas....imensas...Nem ventilador, nem banho frio, nem gelinho dá jeito . E a culpa é da Morga, que me apresentou a esses cowboys dentucinhos ultrahots.

Somos convidados a  conhecer a cidade de Skrull Creek, Texas e seus moradores pra lá de interessantes.
São histórias inusitadas de cowboys mega totozões que em um momento ou outro da vida se tornam dentucinhos chupadores de sangue hipermegapowerhots. Eles não se alimentam  só de sangue, mas também da energia gerada durante o ato sexual .... Taí de onde vem tanto Fuego!, kkkkkkkkkkkkkkk
Dillon Cash( qualquer semelhança com o Cash Grier é mera coincidência) um nerd foi mordido por um vampiro e se antes ele era ignorado pelas mulheres de Skrull Creek... agora ele é o bam-bam-bam do pedaço... o rei da cocada preta... a última Coca-Coca do deserto. Mal se aproxima e todas as mulheres da cidade querem uns momentos a sós com o bofe, kkkkkkk. Eita!!!

"Ele estava vestindo uma calça jeans apertada, uma camiseta preta justa e botas negras de caubói. Um chapéu preto inclinado sobre a testa fazia sombra em metade do rosto. Os cabelos louro-escuros cacheados debaixo do chapéu de brim alcançavam a gola da ca-miseta. Ele era alto, musculoso e... Dillon."


"SOUBE que era Dillon antes mesmo de se virar. Foi levantando os olhos, partindo dos grandes pés descalços debaixo das barras puídas da calça jeans, passando pelas pernas envoltas pelo brim, pela cintura, pelo atraente funil de pêlos que se desfazia na barriga-tanquinho, pelo peito musculoso e os grossos bíceps envoltos por tatuagens, o pescoço com cordão, o rosto familiar...
Espere aí.
Tatuagens?
Ela prestou atenção no braço forte. Claro que o intricado desenho em tinta preta ao redor do músculo protuberante fazia o braço parecer maior e mais poderoso. Olhou então para o outro braço. A mesma coisa."



O seu recém descoberto carisma vampírico faz com que ele se torne muito popular na cidade e uma máquina sexual, então, sua amiga de infância Meg, que tem  uma imagem não muito interessante, pede a Dillon que compartilhe seu segredo com ela. Nossa mocinha é conhecida na cidade como Meg Joãozinho, visto que adora esportes e se sai muito bem neles, e os  homens da cidade a veem como um deles e não como uma mulher, muito menos uma mulher interessante. Meg quer tornar-se um símbolo sexual e se Dillon pode mudar a sua imagem pública ele tem de  contar a ela como fazer para mudar também!!!!!
Porém, o nosso nerd vamp totozão não vai entregar o ouro assim de bandeja  né gente?!?! Então, ele faz a proposta indecente:

"— Conte-me tudo.
— Tenho uma idéia melhor. — Ele a encarou com um olhar sagaz. Ele segurou a vidraça da janela perto dela e chegou mais perto. A barba por fazer raspou de leve a maçã do rosto de Meg. Os lábios dele lhe roçaram a orelha. — Por que não lhe demonstrar na prática?"

Em  troca da ajuda, a Meg propõe auxiliá-lo com seu guarda-roupa:

"— Talvez. Mas se você vai fazer algo, deve fazer direito. Ou seja, se quer passar por uma transforma¬ção completa, deve começar a pensar nessas coisas. — Ela arqueou uma sobrancelha. —Ainda usa cuecas do Homem Aranha?
— Parei de usar na terceira série primária. — O pai dela estava fora da cidade e ela dormiu na casa dele. Ela usou uma camiseta de número maior que o dela naquela noite, enquanto ele estava com a tal cue¬ca e camiseta branca. Ela levou seus soldadinhos de brinquedo e uma lanterna, e ficaram no quarto dele brincando até amanhecer. Apesar de ela parecer e agir como se fosse um dos meninos naquela época, tinha cheiro bem melhor. Ele ainda se lembrava do cheiro de xampu de morango em seus cabelos.
Suas narinas se inflaram. Sob o perfume e os produtos para o cabelo, sentiu um toque de odor familiar.
— Brancas? — ela insistiu. — Juntas?
— Nem uma coisa, nem outra. — Ele inspirou novamente e uma eletricidade lhe desceu em espiral até a virilha. — Estou sem cueca.
 — Ah! — Ela desviou o olhar nervosamente e ele entendeu que ela estava procurando alguma coisa em que pensar para tirar da mente as idéias que lhe estava provocando. "

O que se segue é uma série de lições alucinantes de sedução. Tem uma cena com uma garrafa que é o Ó.... e a do balcão da loja também...

"— A aula vai começar — ele disse com sua voz profunda, eliminando qualquer especulação enquanto dava a volta por trás dela. Seus ombros largos esbarraram nas omoplatas dela como em um beijo. Ela viu de relance pelo espelho e sentiu algo diferente ao perceber como formavam um quadro provocante. Ele parecia grande, poderoso e intenso! E ela parecia tão... faminta.
Ela estava trêmula de ansiedade. Afinal, esperava por aquele momento fazia muito, muito tempo.
Desde a oitava série.
Os braços musculosos envolveram os ombros nus de Meg, distraindo-a de seus pensamentos ridículos. Ele pôs a bandana nos olhos dela.
—  Quero que você se esqueça de tudo mais e se concentre no que vou pôr em sua boca.
— E como isso vai me ajudar a convencer o resto da cidade que sou sexy?
— Ser sexy não é questão da roupa nem dos lençóis que se usa. — Sua voz profunda e rascante a fez lembrar do sonho da noite anterior e ela sentiu as bochechas corando. — Depois disso, passaremos aos outros sentidos: tato, olfato, visão, audição.
Sem ver nada, os outros sentidos dela ficaram imediatamente mais aguçados. Sentiu um formigamento na pele quando ele a tocou nos ombros com as mãos quentes para fazê-la virar de costas para a ponta do balcão retangular, levando então as mãos à parte superior das coxas.
Quando ela percebeu, sentiu um princípio de pânico e, em seguida, grande excitação. A respiração ficou mais apressada. Sua pulsação disparou.
—  O que está fazendo? — ela perguntou quando ele a levantou.
— Fazendo as coisas ficarem mais adequadas.
Ela rapidamente se viu empoleirada no balcão comprido e retangular, com as compras espalhadas ao lon¬go e atrás dela. Meg sentiu o frio dos potes de sorvete contrastando com as mãos quentes e másculas que foram descendo para a pele suave do interior das coxas. Ele a fez abrir as pernas e se posicionou entre elas. O brim da calça dele roçou na parte interna das coxas e ela teve uma onda de percepção.
— Pronto. Agora temos espaço de sobra. Pode deitar se quiser."

Ui!!!
Mas confesso que apesar da linha ultrapowerhot que o livro estava seguindo.. me senti roubada!!!
Gente, ao meu ver, faltou como eu poderia dizer.... faltou Fuego!!! na história. imagina a minha situação: eu to lá hiper assanhadinha lendo avidamente cada linha daquela gostosura repleta de Fogo.... Fire.... Fuego!!! A leitura promete.... cada cena mais hot que outra e na hora "H" do aprouch final do Dillon com a Meg.... foi.... cortado!!!!!! Retirado!!! Resumido....
OMG!! Cade o Fuego todo que eu estava me preparando pra ver? Cade? Cade? Onde? Nada minha amiga.... só uma citaçãozita de nada. 

Me sinto frustrada... roubada... Afinal o Dillon prometia tanto... com aquele Fuego todo dentro dele... aquela boquinha sapekinha fazendo misérias na mocinha...
O quem e consola é que os outros compensam em Fuego o que o livro do Dillon faltou. Mas mesmo assim, vale a leitura.
E para completar temos uma senhora de praticamente 70 anosidade de mente muito aberta, afinal, Winona Atkins dá aulas de sedução para as moradoras da cidade. Gente, as cenas são de rachar de ri.

 Série Amor à primeira Mordida:
1. Dead Sexy (novembro de 2007) - Sedução Fatal.
2. Drop Dead Gorgeous (abril de 2008) - Encanto Eterno.
3. A Body to Die for (novembro de 2008) - Sede de Prazer.
4. Cody (outubro de 2009) - ainda não lançado no Brasil. 


Abaixo a capa em inglês.

4 comentários:

  1. Concordo contigo amiga,falta Fuego nesse livro!!!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Esse e outros dessa série prometeram,mas não cumpriram!!

    ResponderExcluir

Adorei a sua visita!!!
Seu comentário é sempre bem vindo!!!
Comente, opine, se expresse. Este espaço é seu!
E volte sempre!!!